Dieta jejum intermitente: o que é?

por | out 19, 2019 | Alimentação, Saúde | 0 Comentários

Existem muitas dietas disponíveis pelo mundo, mas muitas se destacam por certas excentricidades. Uma que se encaixa bastante nesse tipo é o jejum intermitente, mas não pela restrição de qualquer prato – e sim pelo tempo.

Dessa forma, muitos encaram o jejum intermitente não como uma dieta, mas como um método de emagrecimento que envolve dieta. Na verdade, ele altera seus horários de alimentação, pouco interferindo na sua alimentação.

E assim busca que o corpo utilize dos estoques de gordura para que haja perda de massa gorda. Prossiga com a leitura do artigo e veja um pouco mais sobre esse processo!

O que é Jejum intermitente?

A metodologia do jejum intermitente começa com uma técnica britânica chamada 5 por 2, onde a pessoa se alimentava normalmente por cinco dias. Após isso, ela tomava dois dias sequentes para semi-jejum (homem consumiam até 500 calorias, mulheres até 600).

A partir dessa técnica, várias outras vertentes surgiram, com diferentes janelas de alimentação e prática de jejum total. Dessa forma, o jejum intermitente se alterna entre práticas em dias alternados e alimentação delimitada por tempo.

Afinal, a dieta se refere a intercalar períodos de jejum com janelas de alimentação, de forma com que o corpo seja obrigado a utilizar gordura. Os períodos costumam ficar entre 10 a 24 horas de jejum, mas pode-se intercalar até dias para prática.

Dentro desse período de jejum, apenas é possível ingestão de líquidos sem caloria, como água (com ou sem gás), chás e café sem açúcar. Porém, dentro das janelas de alimentação, a dieta não conta com nenhuma restrição.

Na verdade, esse é um ponto interessante da dieta: não contar com nenhuma restrição alimentar. No entanto, não é um sinal para você sair comendo tudo que puder – afinal, seu objetivo é emagrecer.


crédito: Getty Imagens

Como funciona jejum intermitente?

A prática envolve o uso de protocolos, isto é, sistemas de horários para intercalar períodos de jejum e janelas de alimentação. Alguns envolvem metade do dia, outros o dia inteiro – e por isso o auxílio de um especialista é recomendado.

Afinal, ele fará exames que definirão se você é apto para praticar jejum intermitente e qual o protocolo mais adequado. Caso você seja adequado, os protocolos são:

Jejum de 12 horas

Protocolo mais comum, se trata de uma medida simples: metade de 1 dia sem comer (incluindo as horas de sono) e a outra metade para alimentação. Dentro dessa janela de alimentação, é recomendado que se faça as 3 refeições principais.

Jejum de 16 horas (ou sistema leangains)

Protocolo desenvolvido pelo sueco Martin Berkhan, se trata de uma medida que envolve o jejum por 16 horas. Dentro das 8 horas restantes para alimentação, devem ser feitas 2 a 3 refeições principais.

Jejum de 24 horas (Coma-Pare-Coma)

Protocolo mais extremo, envolve a prática de jejum dentro do período de 1 dia inteiro: a pessoa escolhe um ou dois dias da semana em que estará num jejum completo. Neste dia escolhido, a pessoa só fará refeição no outro dia, a partir do mesmo horário que começou.

Por ser uma prática difícil, é importante que a janela de alimentação seja composta por alimentos ricos em fibras antes do jejum.

O que fazer nas janelas de alimentação?

Dentro das janelas de alimentação, não existe de fato uma restrição. No entanto, por você entrar em períodos de jejum, certos alimentos acabam afetando seu organismo, enquanto outros são ricos.

Dessa forma, é importante consumir alimentos que criem saciedade e que reponham nutrientes antes e depois do jejum. No entanto, nada de compensar o tempo perdido se alimentando demais!

O que comer

  • Proteínas de pouca gordura;
  • Verduras;
  • Legumes;
  • Cereais integrais;
  • Tubérculos;
  • Frutas com casca.

O que evitar comer

  • Cereais refinados (conta com carboidratos simples);
  • Doces;
  • Alimentos muito industrializados.

Dica de ouro para praticar o jejum intermitente

Após um jejum longo (como de 16 horas ou até um dia inteiro), é comum que a insulina esteja em níveis baixos. Dessa forma, é importante não aproveitar as janelas de alimentação para consumo em altas doses de carboidratos simples ou muita comida.

Mesmo alimentos saudáveis em grande quantidade podem ser nocivos ao seu organismo após longo jejum. O recomendado é começar a janela com baixa quantidade de alimentos com baixo índice glicêmico.

Dessa forma, a prática de jejum intermitente deve envolver também uma quantidade pequena de proteínas com fácil absorção.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *