Como a autoestima influencia na saúde?

por | jan 9, 2020 | Saúde | 0 Comentários

Autoestima

Provavelmente todo mundo sabe o que é a autoestima, mas será que realmente sabem como ela interfere na nossa vida?

Sem dúvida a autoestima é uma das principais ferramentas que podemos usar para vivermos bem e termos uma vida mais feliz.

Nossa autoestima tem o poder de impactar nas nossas relações com o mundo e com as pessoas, assim como é ela que nos faz encarar os desafios e nos protege de situações que exigem um certo controle emocional.

Entretanto, será que temos autoestima o suficiente para lidarmos com a família, o trabalho, os amigos, a rotina?

Como a autoestima interfere na vida das pessoas

São várias as situações que eu poderia citar que interferem em nossa autoestima que, por sua vez, interfere em nossa vida.

A falta de autoestima interfere muito em nossa qualidade de vida, faz com que o indivíduo tenha uma sensação horrível de inferioridade, de insegurança e até medo.

Em outras palavras, a baixa autoestima pode até mesmo desencadear alguns desequilíbrios emocionais grandes, como ansiedade, fobias e até depressão.

É a autoestima que tende a influenciar as expectativas que a pessoa tem sobre si mesmo e, geralmente, são situações corriqueiras, que envolvem relacionamentos interpessoais que podem fazer com que a pessoa perca sua autoestima.

A autoestima possibilita você entender o seu lugar e o lugar do outro nas relações interpessoais

Levando isso em consideração, uma pessoa que tem baixa autoestima acaba minimizando suas próprias necessidades, apresentando dificuldades em socializar e desenvolver relacionamentos saudáveis possibilitando prejuízos à saúde mental.

A autoestima baixa interfere tanto na vida de uma pessoa, que ela pode acreditar que seria egoísmo defender sua opinião e seus direitos, fazendo com que a sensação de inferioridade e impotência aumentem.

Porém, é importante frisar que a autoestima não tem nada a ver com egoísmo, mas com a relação de justiça, respeito e reciprocidade, ou seja, é algo inteiramente saudável e construtivo para o ser humano, sobretudo, porque com a autoestima elevada a pessoa tem mais facilidade em reconhecer o seu direito e o do outro.

A autoestima é também uma capacidade em até mesmo habilidade de exercer a auto compreensão, por isso que é tão importante haver um equilíbrio entre autoestima e baixa autoestima.

Assim sendo, quando há um desequilíbrio nesse aspecto, é necessário que haja uma correção.

A autoestima pode ser desenvolvida

A autoestima pode ser desenvolvida, aperfeiçoada e lapidada ao longo de nossa vida.

Esse ponto pode ser algo bastante positivo, como também negativo, pois na medida que podemos desenvolver a autoestima, também podemos desenvolver a baixa autoestima.

Segundo estudos de alguns psicólogos e psiquiatras, a autoestima deveria ser estimulada desde cedo, principalmente na relação familiar.

Isso porque a autoestima não é desenvolvida somente da visão que o indivíduo tem de si mesmo, depende também do ambiente em que o mesmo está inserido e de que tipo de pessoas ele mantém relações de afeto e amizade.

Em outras palavras, a visão do que está em volta do indivíduo e a realidade em que vive é um fator determinante de sua autoestima.

O ambiente em que vivemos e o desenvolvimento da autoestima

Se essa visão for pessimista, geralmente a visão que o indivíduo terá de si mesmo também será pessimista, pois o ser humano tem facilidade de incorporar, ao longo do tempo, e fazer associações baseado na sua visão de mundo.

Nesse ponto, vale a pena ressaltar que, mesmo podendo ser desenvolvida e estimulada ao longo dos anos, a autoestima é algo variável, vulnerável, e em determinados momentos e situações ela pode estar baixa e em outros alta.

É possível que haja essa oscilação, mas também é possível criar estratégias que façam a pessoa ter mais controle sobre aquilo que ela incorpora.

Essa tarefa, de desenvolver a autoestima, não é tão difícil, porém exige um esforço contínuo e um mergulho profundo dentro de si mesmo para se auto conhecer, avaliar e refletir sobre tudo o que faz bem e o que está sendo prejudicial para sua autoestima.

Desenvolver a autoestima colocará o indivíduo em situações que terá que quebrar paradigmas comportamentais, modificar-se e se redescobrir que não existe uma perfeição, mas que é possível reconhecer os erros e celebrar as conquistas.

 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *