Gordura Abdominal

por | fev 10, 2020 | Alimentação, Saúde | 0 Comentários

Muitas pessoas têm se preocupado bastante com seu corpo por questões de aparência, mas isso não é o mais importante, afinal padrões estéticos de beleza não significam saúde e bem-estar.

Em outras palavras, nem todas as pessoas magras são saudáveis e nem todas as gordas são doentes, ou vice-versa, o que realmente importa para a saúde são alguns índices, um deles é de gordura abdominal.

A obesidade abdominal é um dos fatores de risco para várias doenças, ou seja, pessoas que tem uma barriga sobressaliente acabam se tornando mais vulneráveis a alguns tipos de doenças.

O que é gordura abdominal?

A gordura abdominal é aquela que se localiza na região do abdômen e seu acumulo pode causar vários riscos à saúde.

A verdade é que todo excesso de gordura, em qualquer parte do corpo, é prejudicial à saúde, porém a gordura localizada no abdômen apresenta vários riscos ao organismo e por isso é necessária uma atenção especial.

Há dois tipos de gorduras abdominais:

  • Gordura visceral: localiza-se na parte interna do abdômen, ou seja, é uma gordura mais profunda e apresenta grandes riscos à saúde por conta de sua proximidade a órgãos vitais como coração, rins, fígado, pâncreas e intestino.
  • Gordura subcutânea: Essa gordura é localizada sob a pele, e popularmente chamamos de pneuzinhos. Ela pode surgir tanto no abdômen, nas pernas, braços e culotes.

Quais os riscos da gordura abdominal?

Uma pessoa não precisa estar com sobre peso para ter gordura, mesmo pessoas com peso normal podem acumular gorduras abdominais em quantidades perigosas para sua saúde.

A gordura visceral, por exemplo, não é um tipo de gordura que dá para se livrar tonificando os músculos com abdominais, geralmente, para perde-la é necessária uma dieta saudável acompanhada de muitos exercícios físicos, como musculação e caminhadas.

Os principais riscos que a gordura abdominal podem acarretar são:

 

1.  Infarto

O infarto do miocárdio ocorre quando a irrigação sanguínea do coração está obstruída por placas de colesterol presas às suas paredes, prejudicando, assim, o transporte de oxigênio e outros nutrientes para o órgão.

Com o acumulo da gordura abdominal, que pode causar o sobre peso, o coração acaba tendo que se esforçar mais para a realização de atividades físicas e as placas de colesterol que advém dessa gordura acabam obstruindo as artérias e aumentando os riscos de infarto.

2. AVC

O acidente vascular cerebral, ou derrame cerebral, como é popularmente conhecido, ocorre quando os vasos sanguíneos ligados ao cérebro entopem ou se rompem.

A gordura abdominal acaba aumentando os riscos de AVC porque afeta o metabolismo do organismo, reduzindo, por conseguinte, as lipoproteínas HDL que tem a função de transportar o colesterol para dentro do fígado para proteger as artérias.

Com as lipoproteínas HDL reduzidas, há uma maior vulnerabilidade para a formação de placas de gordura nas artérias o que aumenta os riscos de AVC.

3. Diabetes

A diabetes tipo 2 ocorre quando o organismo de uma pessoa tem dificuldade de responder aos efeitos da insulina, que é o hormônio responsável pelo transporte do açúcar do sangue para as células.

Uma pessoa com gordura abdominal excessiva pode comprometer o pâncreas que é o órgão responsável pela produção da insulina. Com o órgão comprometido o indivíduo corre o risco de adquirir diabetes tipo 2.

4. Hipertensão

A hipertensão é quando a pressão do bombardeamento sanguíneo fica elevada devido as obstruções das artérias à passagem de sangue.

A hipertensão está associada a várias condições clinicas como diabetes, insuficiência renal e obesidade, além disso estudos tem se comprovado que pacientes com gordura visceral são mais propícios a terem hipertensão.

5. Demência

A demência é um conjunto de problemas cognitivos que podem causar perda de memória, dificuldade de concentração, raciocínio, desorientação, dificuldade de linguagem, entre outros.

Mas o que isso tem a ver com gordura abdominal? Acredita-se que a gordura visceral possa, juntamente com o sistema imunológico produzir substancias que favorecem inflamações capazes de prejudicar o cérebro.

Como diminuir os índices de gordura abdominal?

Como saber quando se está com gordura em excesso?

Existem aparelhos capazes de detectar o percentual de gordura visceral de cada pessoa, porém, também há uma forma mais prática e simples para saber se a pessoa está com gordura em excesso.

Para saber se está com gordura em excesso basta medir a circunferência abdominal. Comumente, circunferências acima de 88 cm, para mulheres, e 102 cm, para homens, são consideradas com gordura em excesso.

Para reduzir a gordura abdominal, seja ela visceral ou subcutânea, é fundamental a adoção de hábitos saudáveis, como aderir uma alimentação saudável e equilibrada e também associar com atividades físicas.

Uma forma de conseguir melhores resultados é com um acompanhamento profissional que, também, dá maior segurança as pessoas, portanto, ter o acompanhamento com nutricionista e educador físico deve ser uma das opções para se analisar.

A saúde é o bem mais precioso de uma pessoa, então cuidar dela é fundamental tanto para seu bem-estar e deve ser uma prioridade.

 

 

 

 

 

 

 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *