Psicologia e Obesidade

por | mar 11, 2020 | Saúde | 0 Comentários

A etiologia da obesidade é extremamente complexa envolvendo a interação de fatores biológicos e psicológicos com questões culturais e ambientais. É considerada, portanto, como uma síndrome multifatorial na qual a genética, o metabolismo, o ambiente e fatores psicológicos interagem.

Hand boy check heart by stethoscope

Uma das causas da obesidade está relacionada ao ambiente compartilhado, aos hábitos alimentares adquiridos e aprendidos (por meio da forma de criação, costumes e preferências dos pais e pessoal), a atitude em relação à alimentação, ao corpo e aos exageros na quantidade/qualidade de alimentos.

Muitas vezes a pessoa não tem consciência desses comportamentos e, de forma inconsciente, a ingestão de alimentos passa a ser utilizada como forma de suprir alguma necessidade emocional, trazendo o conforto emocional – a saciedade está diretamente ligada ao prazer mental, fazendo assim com que a situação de desconforto passada seja resolvida temporariamente.

As emoções são os elementos psicológicos mais associados à obesidade e ao excesso de peso. O estado emocional de uma pessoa está ligado ao apetite, ao comportamento na hora das refeições e também às preferências no momento de escolher os alimentos. Por exemplo, ao sentir tristeza ou alegria, pode aumentar ou diminuir o apetite. O efeito é individual e depende de cada um, por exemplo, alguns quando estão ansiosos, tendem a comer mais, e há outros que perdem totalmente o apetite.

Indiretamente, as emoções estão associadas a uma predisposição à ingestão, a escolhas de certos tipos de alimentos. Por exemplo, o estresse no trabalho, a falta de tempo ou até mesmo a distância/dificuldade de locomoção fazem com que a pessoa opte por refeições rápidas e fáceis, ingerindo uma quantidade menor de alimentos, de baixa qualidade. Nessa situação não há prazer em comer, nem local reservado e adequado para apreciar uma refeição e, consequentemente, não supre as necessidades nutricionais, auxiliando para o ganho de peso. Portanto, o problema é que esses “poucos alimentos” geralmente são ultra processados ​​e com alto valor calórico.

O ato de comer, para os obesos, é tido como tranquilizador, como uma forma de localizar a ansiedade e a angústia no corpo, utilizado também nas situações de dificuldades de lidar com a frustração e com os limites. Assim, muitas pessoas com sobrepeso e obesidade utilizam a alimentação como estratégia de regulação emocional. Isso ocorre quando o indivíduo utiliza a comida como refúgio para suprir fatores emocionais – após comer, não fica saciado, come mais e quanto mais come mais fome tem, é a chamada fome emocional.

Nessa busca a pessoa começa a procurar determinados tipos de alimento que lhe dão a sensação de prazer momentânea, de conforto, uma falsa saciedade, por que logo depois a fome chega novamente fazendo com que ela busque o mesmo recurso, criando assim um ciclo vicioso e compulsivo. O alimento passa a ser a resposta para todos os problemas – “Estou triste como, estou alegre como, estou entediado como, estou frustrado como”.

Muito se fala que para emagrecer basta realizar atividade física e mudanças de hábitos alimentares, esquecendo que os motivos que levaram o indivíduo a esse excesso de peso, por muitas vezes, tem um fator emocional envolvido.

Não está errada essa visão inicial, todavia tratar a obesidade somente como boa alimentação e atividade física não resolve, pois há os fatores emocionais que devem ser tratados.

A pessoa com sobrepeso ou obesa deve buscar ajuda de uma equipe multidisciplinar, composta, por exemplo, por médico, nutricionista, professor de educação física e o psicólogo.

Cabe ao psicólogo ajudar no processo de mudança, contribuindo para que a pessoa mude a sua forma de pensar e agir, auxiliando na alteração de seus hábitos alimentares, compreendendo e aprendendo a gerenciar as suas emoções, de forma positiva e benéfica para sua autoestima, qualidade de vida, bem estar físico e emocional.

Fonte:

Rita de Cássia do Nascimento Gomes

Psicóloga

Contato 19 9 9712-3525

www.psicoterapiacomportamental.psc.br

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *